Vamos entender qual a necessidade de fazer a calibração do fotômetro, quais os benefícios e os procedimentos de calibração para o modelo Sekonic L308-X

Por que fazer a calibração do fotômetro?

Em primeiro lugar, precisamos entender quais as variáveis que influenciam na fotometria. Vamos a elas.

  • Tempo de exposição: Como o próprio nome já diz, é uma medida de tempo. O tempo é uma unidade fixa, ou seja, 1 segundo é 1 segundo em qualquer lugar do universo. Então, o dispositivo do obturador está programado para expor o sensor a uma certa fração de tempo conforme é selecionada na câmera.
  • Sensibilidade ISO: O ISO nada mais é do que um ganho, uma amplificação eletrônica do sinal do sensor. Como é uma medida padronizada, significa que ISO 100 representa o mesmo fator de ganho, independente da marca ou modelo de câmera. O que vai mudar é apenas a relação com o tamanho do sensor. Em geral, câmeras com sensor maior possuem melhor imunidade a ruído em ISO alto do que as câmeras de sensor pequeno.
  • Diafragma: é um orifício de diâmetro variável que controla a passagem da luz. O tamanho do diafragma está relacionado ao comprimento focal. Dessa forma, diferentes lentes podem ter diferentes sensibilidades à luz para o mesmo diafragma.

A fórmula do diafragma

Como visto na seção anterior, o diafragma é a única variável da fotometria que pode sofrer variação entre fabricantes de um mesmo equipamento.

A abertura do diafragma é dada pela fórmula:

D = F/A, onde:

D: diâmetro da abertura

F: comprimento focal

A: Fator de abertura

Dessa, forma uma objetiva de comprimento focal 100mm com abertura F/4 terá um diafragma de 25mm de diâmetro. Já uma objetiva 20mm com a mesma abertura terá apenas 7mm de diâmetro.

Essa diferença terá impacto direto na profundidade de campo, porém a transmissão de luz é a mesma, ou seja, a quantidade de luz que passa pela abertura é igual nas duas objetivas.

Isso teoricamente, porque precisamos considerar outra variável que é a transmissão de luz das lentes.

Quando a luz atravessa um elemento óptico, parte dela é desviada em direções diferentes. O projeto óptico das objetivas é feito de forma a minimizar esses efeitos. Dependendo do caso, isso pode afetar o resultado da imagem. Essa perda de informação nas lentes é o que chamamos de transmissão.

Medição TTL

Quando usamos o fotômetro interno da câmera para fazer a medição da luz, estamos fazendo uma medição TTL, ou seja medindo a luz que passou através das lentes da objetiva.

Dessa forma, a sua câmera indica a medição corrigida, já compensando a perda de luz causada pelos elementos ópticos.

Quando usamos o fotômetro externo, estamos tomando como base apenas uma referência geométrica, sem levar em conta os fatores de transmissão. Por isso é de se esperar que, em uma mesma condição de luz, possa haver divergência entre o que o fotômetro da câmera e o externo estão indicando, já feitas as compensações de luz incidente e refletida.

A escala T-stop

Essa escala foi criada para informar a transmissão real de luz. As lentes com escala T-stop são muito usadas em cinema.

Nessa aplicação é muito importante que todas as lentes do set de filmagem estejam reguladas corretamente, pois um filme é gravado por vários dias seguidos e todas as cenas precisam ter exatamente a mesma fotometria.

Se isso não for feito, haverá diferenças de exposição que tomarão muito trabalho para corrigir na pós produção.

Para saber mais sobre a escala T-stop, veja o vídeo abaixo:

T-Stops vs F-Stops: How great cinematographers know when to pick which

Calibração do fotômetro Sekonic L308-X

Agora que já entendemos a teoria por trás da medição do fotômetro, vamos criar um procedimento para compensar a transmissão da objetiva para a leitura do fotômetro.

Dessa forma, vamos ter uma indicação mais precisa, sabendo que o fotômetro externo já está levando em conta o fator de transmissão de cada objetiva.

Para fazer a calibração do fotômetro você vai precisar de:

  • Uma fonte de luz contínua
  • Um cartão cinza
  • câmera fotográfica com qualquer objetiva

Procedimento de calibração do fotômetro Sekonic L308X:

  1. Posicione o cartão cinza na frente da câmera de forma que ele preencha todo o quadro da cena.
  2. Faça a fotometria de forma que o fotômetro da câmera indique 0 na escala. Para facilitar, você pode deixar a câmera em modo de prioridade de velocidade (modo S na Nikon ou Tv na Canon). Anote os valores encontrados.
  3. Passe os valores de obturador e ISO para o fotômetro externo.
  4. Faça a medição em modo de luz contínua no centro do cartão cinza, com a esfera do fotômetro voltada para a câmera.
  5. Anote o valor do diafragma encontrado.
  6. Se o valor for o mesmo que a câmera encontrou, o seu fotômetro não precisa de calibração.
  7. Caso o valor seja diferente, será necessário entrar em modo de calibração.
  8. Para entrar no modo de calibração, desligue o fotômetro, pressione o botão ISO e ligue-o novamente com o botão ISO pressionado.
  9. Em seguida, faça a correção em décimos para corrigir a diferença para o que foi medido na câmera. Por exemplo, se o fotômetro externo indicou 2 décimos a mais, coloque a compensação em -2.
  10. Repita os passos de 1 a 5.
  11. Se ainda houver diferença, repita do passo 8 em diante até que não haja mais diferença.

Conclusão

Vimos aqui como funciona a escala T-stop e como fazer a calibração do fotômetro Sekonic L308-X.

Para saber mais, acesse:

https://blog.emania.com.br/diferenca-entre-f-stop-e-t-stop-objetivas/

Fotômetro precisa ser calibrado? - aula ao vivo
Compartilhe

Leave a Reply

Your email address will not be published.